Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Google-Translate-Portuguese to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese

Rating: 3.6/5 (3124 votos)


ONLINE
2




Partilhe este Site...

Flag Counter

Calendário lunar

 


A origem do termo EXU
A origem do termo EXU

A origem do termo EXU

EXU, como nós pronunciados, é o mesmo ECHU ou ISHU dos Nagôs (os Nagôs pronunciavam o XU de ISHU levemente sibilado). ISHU, ou ECHU, é, portanto, o mesmo que EXU. Essa palavra foi incorporada e adotada na mística religiosa desse povo, para identificar uma divindade menor, que encarnava ou representava as facções que lidavam com o mal.

A origem dos termos ECHU ou EXU vem do vocábulo IRSHU, do idioma ZEND, palavra que passou a representar para vários povos a dissolução do PRINCÍPIO ESPIRITUAL PURO, que regia esses povos da Antigüidade, inclusive a gente da raça negra.

IRSHU foi um príncipe da Índia, filho do Imperador UGRA, que por não poder alcançar o trono de seu pai, como filho mais moço que era, provocou, apoiado por ambições políticas e religiosas, um violento Cisma, ou seja, uma terrível cisão, nessa época. Isso pelos idos do ano 3200 a.C.

Essa cisão produziu uma hedionda guerra de caráter religioso, massacrando, a ferro e fogo, a todos os que se opuseram às facções desse príncipe, destruindo também todos os seus santuários, através de tenaz perseguição a seus sacerdotes e magos (esse episódio é histórico e está descrito no livro Védico SKANDAPURANA, bem como RAMAYANA, de H. Fouché). Assim o massacre que esse cisma de IRSHU provocou ficou como marca indelével na memória dos poucos sacerdotes e magos que escaparam, como que representando o princípio do mal.

Para melhor elucidação, comparemos agora a origem dos termos SATANÁS e DEMÔNIO sob outros ângulos místicos.

Por exemplo – a palavra SATANÁS criou-se de uma mística negativa, ligada também ao pavor, ao medo, ao horror.

Senão, vejamos: naquela épocas pré-históricas os povos negros que já habitavam o continente Sul-Africano promoviam constantes incursões nos povos da raça branca, principalmente nos povos da área do Mediterrâneo. Levavam a guerra e o morticínio, e faziam levas de escravos brancos. Tamanho foi o pavor que essas invasões (dessa gente da raça negra) produziram nos brancos, que estes deram de conceber que tudo o que provinha dessa raça era negativo e terrível. Daí passaram a denominá-la, pejorativamente, de a gente SUDEANA. Esse horror, esse dito medo, essa mística negativa passou até a ser incorporada no conceito religioso de outros povos. Assim foi que, entre os egípcios, gerou os termos de SUTH ou SOTH; o de SATH, entre os fenícios; e o de SHATAM nos árabes e nos hebreus. Esse vocábulo – SUDEANO – serviu de raiz ao termo SATURNO entre os etruscos; SATHUR, SUTHUR, ou SURTUR entre os escandinavos. Foi por causa dessas implicações que os astrólogos passaram a chamar o planeta SATURNO como “O MALÉFICO”. Os europeus denominavam os povos brancos, originários do pólo boreal, de gente BOREANA; ou HIPERBOREANA. Moisés a denominava GIBOREANA.

Essa raça branca, tinha pavor daquela gente negra, que denominava SUDEANA.

Em verdade, o EXU da Umbanda não encarna nenhum princípio maléfico; ele é e age como ficou explicado neste capítulo, e nem tampouco é a divindade menor – o EXU dos Nagôs – e muito menos o tal Diabo da mitologia de certas religiões. Em realidade, nenhum Deus de nenhuma religião “Criou” nenhum demônio ou qualquer espírito à semelhança do dito Satanás. Na verdade o Exu na Umbanda é um agente mágico, em função cármica disciplinar.

Isso tudo foi apenas invenções e adaptações de antigos legisladores religiosos. Ainda em verdade, esse termo não existia (será que já existe?). Não existe na chamada de Velhas Escrituras e nem nos chamados de Quatro Evangelhos; apenas no Apocalipse de João, que foi iniciado na Ciência Teúrgica. Ele, o João, o absorveu e adotou, na doutrina de Zoroastro. Assim como os judeus lá pelos idos do ano de 589 a.C., quando de seu exílio na Babilônia, pois já sentiam ser um absurdo existir um Deus do bem que mandava matar 70 mil pessoas...

Essa doutrina de Zoroastro (falecido em 586 a.C. na Pérsia), pregava o princípio Dualista, um Deus do bem e da luz – seria ORMHUD e um Deus que dirigia as facções do mal, da sombra e da treva, seria ARRHIMÃ.

Cremos ter dado ou evidenciado que essa palavra SUDEANA, de sentido originariamente maléfico, foi a base ou raiz para todos os demais termos citados. Isso por adoções e transposições semânticas, par se adaptar ao linguajar ou aos idiomas desses povos que o incorporaram à suas místicas religiosas, do sobrenatural.

Quanto ao termo Demônio, esse é mais moderno, porque se originou do vocábulo grego DAIMON, que o filósofo Sócrates (falecido em 469 a.C., com 71 anos) dizia ser o nome de seu gênio bom, inspirador. E quanto ao nome DIABO, surgiu como uma corruptela grosseira de demônio.

E, mais uma palavrinha, logo que citamos livros religiosos: os ditos como a Bíblia e os Evangelhos, nestes últimos séculos ou anos, já sofreram inúmeras supressões e acomodações, isto é, eliminaram conceitos ou palavras inconvenientes nos seus versículos, substituindo por outros para mudarem o sentido antigo e inconveniente. Na Bíblia, versão inglesa, fala-se de espíritos elementais – ditos da Natureza – e na versão portuguesa, não se fala.

No Livro dos Espíritos, da A. Kardec, até a 21ª ed. da língua portuguesa, diz-se que Deus criou os espíritos, assim como uma máquina fabricando peças. Nessas últimas edições, já “endireitaram” isso.

De onde se deduz que as cúpulas religiosas vêm modificando as “palavras de Deus” – Jeová, de Moisés, dos apóstolos e dos espíritos kardequianos, segundo as suas necessidades.

Bem, entremos agora com outra margem para explicações – porque elas se entrelaçam com o exposto; para que o leitor umbandista possa se esclarecer mais. Indícios seguros, comprovações diversas, de caráter material, etnológico e antropológico, fizeram com que cientistas, pesquisadores, etc., do mais alto gabarito, concluíssem seus estudos convergindo em um ponto comum: o berço da raça negra foi realmente a Ásia. Concluíram também que seus primitivos troncos raciais habitaram regiões da Ásia Meridional e do Sul. Também estudos procedidos em terras africanas não conseguiram o mínimo de comprovação de que a raça negra fosse oriunda dessa mesma terra. Assim expusemos para podermos afirmar que os Nagôs e altos Sacerdotes desta raça trouxeram o Mistério de seus Santuários, a par com seus ritos, com suas lendas, suas crendices e superstições, do Continente Asiático. Por certo que conheceram a verdadeira Ciência Teúrgica – eis o caso de Jetro, que iniciou a Moisés.

Ed. Shurê, que pesquisou muito sobre os negros, afirma que eles, quando habitaram o Alto Egito, às margens do NILO, já tinham atingido um alto grau de cultura, a que os europeus deram o nome de Sabeísmo. Tiveram templos enormes, pois deles já observavam os astros.

Evidente que, já naquelas eras, imperava nos santuários de todos os cultos primevos a Tradição Patriarcal, ou seja, a primitiva Síntese Religio-Científica – a chamada pelo dito Santo Agostinho de “a Relígio-Vera”. Era portanto a Ciência Esotérica pela qual todos os Santuários da Antigüidade se pautavam, até o famoso CISMA de IRSHU, ocorrido na Índia.

Mas voltemos a nos reportar àquelas épocas anteriores a esse evento – de Irshu. Essa gente de raça negra, que habitava aquelas citadas regiões asiáticas, foi crescendo em população, foi se expandindo e foi também guerreando com seus vizinhos. Chegou até a construir templos religiosos, no Alto Egito, às margens do Nilo, como foi o caso do tronco racial dos Bantos.

Evidente que absorveu também os conhecimentos da Ciência Teúrgica que regia os ditos Santuários dessa Antigüidade. E a simples prova disso foi o caso de MOISÉS que, quando quis se iniciar no Alto Sacerdócio dessa Ciência, foi procurar entre os Medianitas, um dos ramos da raça negra – seu sábio sacerdote de nome JETRO.

Daí, já com o nome de iniciação de ASSAR-SEPH – que significa, salvo pelo bastismo da água – foi para o santuário de YOKABED, do Egito.

Então, nessa época, essa gente de raça negra começou a sofrer dissensões internas, conflitos religiosos e militares, e pressões de outros povos circunvizinhos.

Problemas de ordem císmica precipitaram suas emigrações para outras regiões, até chegarem no solo africano propriamente dito.

Os conhecidos como povos bantos se fixaram no sudoeste africano, assim como Angola, Moçambique, Catembe, Magude, etc.

Outras gentes de raça negra se fixaram mais ao centro, como foi o caso dos Nagôs ou Yorubanos, na Nigéria. E outros mais para as regiões da Costa do Marfim, Costa do Ouro, etc. E uma das comprovações de que trouxeram acentuada cultura religiosa e social foi o chamado Império de Benin. Esse povo se vestia bem, tinha ruas bem cuidadas e até existiam impostos, e forças militares. O seu soberano era denominado MONA-MONTAPA.

Aqui, um ligeiro parêntese: o termo Nagô é uma curruptela da palavra ÂNÂGÓ, que tomou um sentido negativo para os negros FONS – de cultura religiosa fortemente islâmica – que deturparam a palavra ÂNÂGÓ para NAGÔ. Por isso, quando os franceses, em 1870, conquistaram os povos FONS, foi que também adotaram a corruptela “NAGÔ”, pois essa gente – ao ÂNÂGÓS – era inimiga dos FONS e cultuadora dos ORISSAS.

Bem, conforme dissemos, todos os templos, todos os santuários dos povos da Antigüidade, através da expressão máxima de seus Sacerdotes, Magos, etc., tinham uma ligação, que era o conhecimento comum da uma só Ciência Teúrgica, que adaptaram a seus costumes, a seus idiomas e a compreensão de seus povos. É claro que os sacerdotes da raça negra também fizeram o mesmo. Há, por exemplo, o complexo hierárquico dos Nagôs, com mais de 400 divindades ditas as de Direita, e as de Esquerda – as Masculinas e as Femininas, cujos nomes foram extraídos da sonância de certos sinais misteriosos e sagrados do ALFABETO ADÂMICO, oriundos dessa Cabala Original, dita posteriormente como Ário-Egípcia, e não da moderna Cabala Hebraica ou rabínica. A prova desse entendimento comum sobre os segredos e as revelações da Ciência Teúrgica que se expressava pela dita Kabala, está nos outros enormes complexos hierárquicos de todas as outras grandes religiões.

Veja-se, por exemplo, o complexo das divindades do primitivo Vedismo, do Vedo-bramanismo, do Bramanismo, e do Budismo – o indiano e o chinês.

Assim foi que surgiu o OLORUN (dos Nagôs); depois o OBATALÁ, à semelhança do Parabrama e do Brama dos indianos.

Daí se infere que, já fixados em solo africano, na Nigéria, os Yorubanos ainda guardavam o nome dessas divindades, denominadas por eles como ORISHAS (e no Brasil, ORIXÁS). Entende-se assim que tinham conhecimentos do verdadeiro e misterioso jogo do IFÁ, com seus sinais do dito Alfabeto Adâmico (do qual também RAMA se serviu, para compor o seu Planisfério Astrológico).

E tanto é que existem ainda provas comparativas desse entendimento, dessa tradição esotérica, dessa Ciência Teúrgica que, na pura doutrina do Budismo Indiano, existe uma Mística que se casa muito bem com as faculdades que os magos deram aos Orixás que diziam ser os Cavaleiros K-UMBANDAS, que cavalgavam corcéis azuis (vide umbanda de Todos Nós, pag.281).

Só que os Nagôs não guardavam, através dos séculos, o termo Umbanda, como vértice da Ciência Teúrgica.

Somente os Bantos guardavam o seu significado, para depois perdê-lo. Expliquemos: - repisando certos pontos básicos, para que o leitor veja bem qual o nosso objetivo final.

Em épocas anteriores ao ano 8600 a.C., já dissemos que essa raça negra habitava regiões da Ásia e também tinha estabelecido um grande poderio no alto Egito. Daí e de outros setores, por questões raciais e religiosas, aconteceram violentas dissensões internas e externas, culminando com o aparecimento de fenômenos cismáticos. Com tais acontecimentos foram obrigados a emigrar para as terras africanas propriamente ditas.

Lá indo ter, por certo que levaram a sua cultura e vivências adquiridas, relativas a toda essa Ciência Teúrgica (Teurgia: arte e aplicação superior da alta Magia).

Nesse solo africano, com o transcorrer dos séculos, foram esquecendo, embaralhando com novas adaptações, sobre esses conhecimentos de base, e também, dos métodos corretos de suas execuções (é, por exemplo, o caso do rito secreto do OGBÓRI, que em verdade significa venerar a cabeça do filho do ORISSA – que ninguém mais sabe fazer nem no Brasil, nem na própria África).

Fazem, sim, um tal de BORI – como sendo dar de comer à cabeça, com matança e sangue.

Com os Bantos e suas ramificações raciais, aconteceu o mesmo – esqueceram mais ainda. Daquele passado só guardaram apenas o significado possante do termo Umbanda, que ficou registrado no idioma KIBUNDO, como arte ou ofício de curar, de evocar espíritos, etc.

Essa parte, esse embaralhamento da Ciência Teúrgica, da tradição Relígio-Científica, pode até ser comparada no simbolismo dito como “da Torre de Babel”; que, em verdade, foi na era de Minrod e significa o mesmo que uma cisão, uma tremenda confusão de idéias religiosas ou doutrinárias.

Todos povos da Ásia e da África estavam vivendo uma espécie de caos religioso, e de costumes, quando surgiu um poderoso Sacerdote, legislador e chefe guerreiro, para consertar tal estado de coisas.

Esse legislador foi RAMA, um celta-europeu, portanto, um ocidental, que já tinha expulsado as hostes negras de várias regiões do continente europeu. RAMA à frente de suas facções e de um imenso exército de negros pigmeus – ditos como os Boschimanos, invadiu a Índia, conquistou-a e promoveu a restauração de sua primitiva síntese religiosa, fazendo um levantamento de seu patrimônio sacerdotal.

A primitiva síntese religiosa da Índia se denominava BARATKAN.

Após esse feito na Índia, RAMA partiu à frente de seus exércitos e conquistou o Egito, a Pérsia e a África, promovendo também a restauração religiosa, cultural e social desses países. A prova disso está em terras africanas ficou como GHIAN-CID.

E finalmente: - cremos que esses povos de raça negra têm sofrido profundas decaídas cármicas, ou seja, de grandes decomposições morais, sociais e materiais, sendo que podemos apresentar as três maiores da seguinte forma: a 1ª) quando foram obrigados (causas citadas acima) a emigrar para o solo africano, de onde começaram a promover suas incursões guerreiras e escravagistas, mas foram repelidos e derrotados, pela reação dos povos brancos, tendo à frente o já citado RAMA, que para tanto teve como aliado outro grande sacerdote  guerreiro de nome THOR; isso há 8.595 anos; a 2ª) quando sofreram outra grande decaída, isso pelos idos do ano 3.200 a.C., desta vez também padeceram o impacto violento do já citado Cisma (cisão) de IRSHU, onde tornaram a poluir suas raízes místicas e religiosas; a 3ª) quando passaram a participar, ativamente, no ciclo do escravagismo, vendendo ou trocando seus súditos com outros povos.

Essa história de negros caçados a laço é pura lenda. Eles eram vendidos ou negociados pelos seus próprios chefes tribais. Nada era feito sem o beneplácito deles. Começaram negociando, seus tribais, com os árabes (já useiros e vezeiros desse comércio), depois com os franceses, os holandeses, os portugueses, e os americanos, etc. Como corolário ou conseqüência disso, começaram a sentir o cerco dos povos brancos sequiosos de suas riquezas, até que foram dominados ou bitolados, surgindo disso o ciclo colonialista, que tem permanecido até agora.

Ultimamente, vários povos negros têm se libertado e alcançado sua independência, mas faltam ainda outros, como é o caso dos sul-africanos, onde uma minoria de brancos explora, humilha e massacra uma maioria negra.

Fonte: Lições de umbanda e Quimbanda na palavra de um "PRETO-VELHO" 5ª Edição. Freitas Bastos

Autor: W. W. da Matta e Silva